Skip to content
Feedback + CNV
Share
Explore

A Girafa e o Chacal

A Girafa e o Chacal são representações de duas formas de comunicação. São metáforas utilizadas por Marshall Rosemberg para representar a maneira de estarmos nas relações.
Segundo o autor, as relações se dão em três âmbitos: o intrapessoal; o interpessoal; e o sistêmico: a) intrapessoal – a forma como falamos conosco mesmo, nosso diálogo interno que pode ser agressivo ou compassivo; b*) interpessoal* – como falamos e ouvimos o outro; e c) sistêmico – como nos comportamos em espaços públicos.
A linguagem da Girafa ativa os circuitos de recompensa do cérebro, dado que é generativa, empática e construtiva ao passo que a Linguagem do Chacal ativa os circuitos de luta ou fuga relacionados à punição, uma vez que é percebida pelo cérebro como violenta e destrutiva.
A Girafa é o símbolo da Comunicação Não Violenta, ou comunicação empática. A girafa é o animal que possui o maior coração dentre todos os mamíferos terrestres e a CNV é a linguagem do coração. O longo pescoço permite ver além dos julgamentos e partilhar essa consciência; as grandes orelhas representam o desejo e a ação de ouvir com empatia; e, os cascos representam a expressão autêntica das necessidades.
O propósito da linguagem girafa é criar uma qualidade de conexão para que possamos DAR (expressar as necessidades de forma harmoniosa) e RECEBER (estar na presença das emoções negativas do outro, sem ser atravessado por elas, permanecendo em postura empática). Assim, escutar a dor do outro de maneira empática, ajuda a compreender o que está presente, para além da sujeira da mente da pessoa.
O chacal é um animal predador, agressivo, pertencente à família das raposas. Possui um uivo que pode ser bastante incômodo para as pessoas, pois o som lembra um grito alto ou uma sirene. A metáfora do chacal representa o olhar raso sobre as coisas, a comunicação com pouca conexão, pouca amplitude e pobre de compreensão. É uma linguagem que bloqueia a conexão entre as pessoas, assumindo a forma de julgamento moralista, uma comunicação focada em avaliar o que está certo ou errado, o que é bom ou mau, correto ou incorreto. O objetivo da linguagem chacal é criticar, julgar, achar que sabe o que está acontecendo dentro do outro, interferindo em sua autopercepção. Neste tipo de linguagem, muitas vezes nos portamos como vítimas e insistimos para que nossas necessidades sejam atendidas, sem considerar as necessidades do outro, tornando-se uma comunicação pautada na exigência e desprovida de empatia. Assim, a motivação da linguagem chacal acaba sendo o medo, a culpa, a vergonha, o dever, a recompensa, a punição.
Vamos a um exemplo?
Imagine que seu chefe percebe que você atrasou a entrega de um projeto. Observe o comportamento sob a ótica do Chacal e sob a ótica da Girafa. O product manager acaba de saber que o programador perdeu um prazo importante. E, nós sabemos o efeito devastador que a perda de um prazo pode acarretar. Imediatamente ele envia mensagem ao seu liderado e diz:
Na linguagem do Chacal:
“É a milionésima vez que você atrasa a entrega do projeto. Por que você é tão desatento e tão descomprometido? Qual é o seu problema de entregar no prazo?
Note as generalizações e julgamentos desqualificantes que serão percebidos pelo cérebro como ameaça, ativando assim as estruturas relacionadas a imobilização, luta ou fuga. (Desconexão).
Se o objetivo era o de gerar comprometimento, engajamento e atenção, seria este o melhor estado? Ou o nosso líder acaba de deixar ir uma oportunidade de ouro para entrar em um feedback assertivo, levantar aprendizado, estabelecer um novo acordo e gerar novo compromisso?
Na linguagem da Girafa:
“João vejo que é a segunda vez que ocorre o atraso na entrega do projeto. Sinto-me frustrado e preocupado com essa situação, pois preciso de tempo para analisar com cuidado layout, os dados e indicadores para ser assertivo em minhas decisões. Você poderia priorizar a entrega dos projetos nas próximas vezes?”.
Observe a presença da linguagem de um fato concreto, apresentação da necessidade e a elaboração de um pedido. Sem ataque, culpabilização ou julgamento desqualificante. Como efeito, gera resultados completamente diferentes da primeira situação apresentada.

Want to print your doc?
This is not the way.
Try clicking the ⋯ next to your doc name or using a keyboard shortcut (
CtrlP
) instead.