Skip to content
Template Nova Análise de UX - Cliente
Share
Explore
[Data]- [Páginas]

icon picker
Análise Heurística - Desktop

O que é?

É uma análise realizada com base nas , que são boas práticas de UX (user experience), cujo objetivo é reduzir a carga cognitiva do usuário, ou seja, permitir que sua navegação, jornada e experiência sejam mais aprimoradas e menos cansativas.
A principal finalidade desta análise é identificar possíveis equívocos e apontar melhorias para que o produto (e-commerce, aplicativo, site) tenha mais acessos e melhores conversões.
A análise é realizada tanto no desktop quanto na versão mobile. Analisamos também o que os principais concorrentes fazem e se há elementos que podemos utilizar ou melhorar ainda mais para o nosso cliente.

A análise é realizada com base nas premissas:

Conteúdo

Observamos a qualidade e adequação ao propósito do produto das informações, sejam elas apresentadas em forma de texto, imagens, áudio e vídeo.

Arquitetura da Informação

Observamos a lógica da apresentação das atividades possíveis, seus fluxos. Observamos também à capacidade de despertar o usuário em termos cognitivos, dando a ele meios de reconhecer e/ou recriar a realidade a partir dos elementos apresentados, sejam eles ícones, texto, ou mesmo processos.

Design

Analisamos os requisitos relativos à forma de apresentação dos conteúdos e seus fluxos.

Tecnologia

Analisamos os requisitos relativos ao desempenho de hardware e software.

E, levando em consideração:

1. Usabilidade

Usabilidade é você:
Acessar um site e ter facilidade de navegação;
Fazer o download de um aplicativo e conseguir, sem ver instrução alguma, ou seja, intuitivamente completar alguma atividade;
Usar algo que parece que foi feito sob medida para você;
Não sentir raiva de quem desenvolveu o que você está usando
Resumindo: usabilidade é o quão fácil de usar é uma interface ou sistema, na qual você navega, sem nenhuma insegurança e consegue completar uma ação desejada, como por exemplo, a compra de algum produto.
Analisamos a usabilidade e identificamos pontos de melhoria para que a navegação seja mais intuitiva.

2. Jornada do Usuário

O mapeamento de Jornada do Usuário é uma ferramenta para identificar todos os pontos de contato de um usuário ao realizar uma atividade, como comprar um livro, fazer compras no supermercado, viajar para outro país, pagar contas no banco, escolher uma escola para o filho, ir ao médico, assistir a um filme no cinema e QUALQUER outra coisa!
Para isso, fazemos um mapa do caminho que um usuário tem que seguir quando quer realizar algo, passo a passo e, analisamos se o caminho está fluído, se está de fácil compreensão, se o caminho está correto e, se o usuário chega ao destino desejado, como podemos visualizar no exemplo abaixo:

Jornada de Usuário.png
Fonte: Aela School - Jornada do Usuário e Sua Importância

3. Acessibilidade

Pensar em acessibilidade significa construir intencionalmente uma boa experiência para todos os usuários, independentemente de sua capacidade visual, auditiva, motora ou cognitiva.
Há um pensamento equivocado de que a acessibilidade digital é apenas para pessoas com deficiência permanentes ou de longo prazo, mas a verdade é que pensar em acessibilidade é pensar em todo mundo.
Além do grupo habitual de beneficiados por produtos acessíveis, também fazem parte dele:
Pessoas que não têm ou não podem usar um teclado e mouse ou outro equipamento manualmente e dependem de comandos de voz e/ou leitores de tela.
Pessoas que não são fluentes no idioma original do produto, e que com ferramentas, conseguem traduzir o conteúdo de maneira fiel.
Pessoas com mobilidade limitada temporária devido a acidente, gestação ou doença.
Pessoas mais velhas. 👴🏻 👵🏻
Novos usuários. ⭐️
Pessoas. 🌎

Na imagem abaixo, é possível entender os diversos tipos de necessidades especiais - que podem ser permanentes, temporárias ou situacionais:

image.png
Fonte: Ilustração representando o “Persona Spectrum” criado pela Microsoft (Inclusive Design)

Exemplos de verificações de acessibilidade em nossas análises:
Cor: verificamos se as cores estão adequadas para todos os tipos de percepção da cor ou para a ausência dela, como o daltonismo (discromatopsia hereditária).
Tipo da Fonte: se a fonte (serifada ou sem serifa) e texto (justificado, por exemplo) estão adequados para todos os tipos de pessoas, tendo em vista que os disléxicos têm problemas de leitura quando o texto está justificado ou se a fonte utilizada é com serifa.
Peso da Fonte: se está possibilitando uma boa leitura para todos os tipos de pessoas, como jovens e idosos, bem como aqueles com algum tipo de deficiência visual (miopia, astigmatismo ou da idade mesmo).



Próxima Página →

Want to print your doc?
This is not the way.
Try clicking the ⋯ next to your doc name or using a keyboard shortcut (
CtrlP
) instead.